Missão Cumprida: Emigrante Português Com Cancro Terminal Já Chegou Ao Barreiro

O emigrante português Daniel Raimundo, que mobilizou e emocionou os portugueses, chegou ao Barreiro esta manhã.

Daniel, com um cancro terminal, tinha o desejo de morrer em Portugal, e saiu da Bélgica no passado sábado, depois de um grupo de bombeiros, e uma enfermeira, se terem disponibilizado para o trazer de volta para o seu país.

Depois de muitas horas na estrada, Daniel Raimundo chegou esta manhã ao Barreiro, onde já falou aos jornalistas, numa conferência de imprensa realizada no Quartel dos Bombeiros Voluntários Sul e Sueste.

Numa curta declaração, Daniel Raimundo, começou por dizer: “Não tenham medo. Eu vou conseguir…”

Missão Cumprida: Emigrante Português Com Cancro Terminal Já Chegou Ao Barreiro 1

De acordo com o comandante dos Bombeiros, Acácio Coelho, Daniel pode ir de seguida para o hospital, onde terá médicos à sua espera.

Hoje, num post publicado na sua página pessoal, Daniel Raimundo quis assinalar a entrada em Portugal, com uma fotografia.

Missão Cumprida: Emigrante Português Com Cancro Terminal Já Chegou Ao Barreiro 2

Ontem, num post, publicado na página de Facebook dos Bombeiros Voluntários Sul e Sueste, do Barreiro, revelaram que a viagem estava “a correr dentro da normalidade, e que o Daniel está estável”.

O próprio Daniel foi publicando também, na sua página de Facebook, algumas fotografias, que iam dando conta da forma como estava a decorrer a viagem.

Missão Cumprida: Emigrante Português Com Cancro Terminal Já Chegou Ao Barreiro 3

O caso de Daniel Raimundo, tem 43 anos, que está internado num hospital, na Bélgica, onde lhe foi diagnosticado um cancro terminal, emocionou os portugueses, e mobilizou muita gente que quis a ajudar para que ele pudesse “morrer em casa”, como pediu nas redes sociais.

Este emigrante português está na Bélgica desde julho de 2017 e recebeu, em dezembro, a notícia de que teria apenas dois meses de vida.

Na quinta-feira, através das redes sociais, Daniel fez um pedido de ajuda desesperado, para poder regressar a Portugal, e “morrer em casa”.

DEIXE O SEU COMENTÁRIO